Pedagogia Espírita – 3 – A Escola Espírita

Uma escola imbuída dos ideais pedagógicos espíritas deve se diferir de tudo o que conhecemos como Pedagogia Tradicional. Na concepção de Ney Lobo (2003, p. 82-83), tal escola é aquela que:

  1. instaura em todas as suas atividades a Filosofia Espírita da Educação;
  2. torna operacional, ou seja, prática e efetiva, a Educação Espírita;
  3. estabelece a primazia da educação moral sobre a instrução intelectual;
  4. promove a fusão da escola com o lar numa unidade moral e pedagógica irrompível;
  5. promove a emersão das perfectibilidades espirituais dos educandos, mediante processos específicos e técnico-pedagógicos;
  6. estende o período de permanência do educando na escola, visando uma educação escolar em regime de tempo integral;
  7. institui a atividade, a cooperatividade e a individualização, um currículo centrado na educação do espírito e a disciplina sustentada pela reparação das faltas cometidas;
  8. mantém os fins da Educação Espírita, que são o desenvolvimento da espiritualidade na ordem individual, o melhoramento da ordem social terrena e Deus na ordem absoluta e suprema;
  9. estabelece o princípio administrativo da direção colegiada em todos os níveis, como a forma mais democrática de governo escolar;
  10. entende a avaliação da aprendizagem como o processo que tem por fim a promoção da evolução do espírito, através de sua auto-superação.

Fica claro que a escola espírita pretende trazer para a práxis pedagógica, aquilo que está esboçado no acervo doutrinário do Espiritismo, ou seja, a educação compreendida como o processo por meio do qual o espírito evolui. Isso independe da concepção religiosa do educando e de seus pais. Importa, e isso é óbvio, que os educadores dessa escola estejam imbuídos dos conceitos espíritas, encarem-se como espíritos em evolução, tenham entendimento a respeito de outras religiões e, acima de tudo, claro conhecimento da Filosofia Espírita da Educação e da Pedagogia Espírita que lhe é consequente.

Compreende-se, portanto, que a função da escola espírita, acima de qualquer transitoriedade de interesses mercantilistas ou pragmatistas, tão arraigados nas escolas de nosso tempo, é o desenvolvimento da espiritualidade de seus educandos, que inclui tudo o que denominamos valores humanos.

Para concretizar os princípios educacionais espíritas, portanto, uma escola deve seguir alguns preceitos:

  1. Deve ser uma escola autônoma, autêntica, criativa e afetiva, adequada ao contexto sócio-cultural em que está inserida;
  2. Dever-se-á dar ênfase em ações que visem a solidariedade, a cooperação, a entre-ajuda, de forma que os valores éticos sejam despertados pela ação moral que dá sentido ao esforço pelo bem comum;
  3. Poesia, música, literatura, pintura, desenho, escultura e até jardinagem e culinária devem fazer parte da produção dos educandos;
  4. Incentivo à reflexão filosófica e ao espírito científico do educando, para que ele possa ser um aprendiz permanente, nesta e noutras vidas;
  5. O currículo organizado de forma interdisciplinar, ou transdisciplinar, ou em rede de saberes, de forma que escape à fragmentação e descontextualização tradicionais;
  6. Abolição de castigos e recompensas;
  7. A avaliação do ser como um todo, processualmente, incluindo a auto-avaliação;
  8. Desenvolvimento da espiritualidade de seus educandos, fazendo-os compreender que a religiosidade é uma dimensão eminentemente humana;
  9. Os primeiros a viverem e exemplificarem os princípios norteadores de uma escola espírita são exatamente aqueles que a administram e o corpo docente;
  10. Toda a comunidade escolar deve se envolver no processo pedagógico, cada qual com o seu papel;
  11. Aquilo que se aplica à universidade como ensino, pesquisa e extensão, deve ser aplicado à escola espírita;
  12. A escola deve se abrir também para além de sua comunidade local, promovendo intercâmbios, visitas, comunicações, rede de relações pedagógicas e culturais.

Por ora, este resumo já nos traz elementos o bastante para refletirmos na viabilidade do estudo da Pedagogia Espírita e sua aplicação na escola regular.

1 – Introdução; 2 – A Proposta Educacional Espírita3 – A Escola Espírita

Referências Bibliográficas

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. Tradução coordenada e revisada por Alfredo Bosi com a colaboração de Maurice Cunio et al. 2 ed. São Paulo: Mestre Jou, 1982.

AGUIAR, Thiago Borges. Frases Pensamentos e Reflexões. In: Universo Espírita, ano 3, n. 31, p. 13, 2006.

BIGHETO, Alessandro Cesar. Eurípedes Barsaunulfo: um educador espírita na Primeira República. Mestrado em Filosofia, História e Educação. Universidade de Campinas. Campinas, 2006.

BRETTAS, Anderson Claytom Ferreira. Eurípedes Barsanulpho e o Collégio Allan Kardec capítulos de história da educação e a gênese do espiritismo nas terras do Alto Paranaíba e Triângulo Mineiro (1907/1918). 2006. 244 f. Mestrado em Educação. Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2006.

CAMBI, Franco. História da Pedagogia. Tradução de Álvaro Lorencini. 3 ed. São Paulo: Unesp, 1999.

COÊLHO, Ildeu Moreira. A Educação, a Cultura e a Invenção de uma Outra Escola. Trabalho apresentado no VI Encontro de Pesquisa em Educação da Região Centro-Oeste, Campo Grande-MS, 2003.

GIROUX, Henry A. Os Professores como Intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Tradução de Daniel Bueno. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

INCONTRI, Dora; GRZYBOWSKI, Przemysław. Kardec Educador, textos pedagógicos de Hippolyte Léon Denizard Rivail. Bragança Paulista-SP: Editora Comenius, 2005.

INCONTRI, Dora. A Educação Segundo o Espiritismo. 5ª ed., Bragança Paulista-SP: Editora Comenius, 2003.

__________. Espiritismo e Educação. In: Mirandum, ano 8, n. 15, 2004a. Disponível em: www.hottopos.com/mirand15/espirit.htm, acessado em 31 mar 2005.

INCONTRI, Dora. O Espiritismo e a Universidade. In: Opinião, n. 109, Porto Alegre: CEPA, 2004b. Disponível em: www.espiritnet.com.br/Opiniao/Ano2004/opiniao06.html, acessado em 31 mar 2005.

__________. Pedagogia Espírita: um Projeto Brasileiro e suas Raízes Histórico-Filosóficas. 2001. 340 f. Tese (Doutorado em História e Filosofia da Educação) – São Paulo: USP, 2001.

__________. Vivências na Escola. Bragança Paulista-SP: Comenius, 2005.

KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Tradução de José Herculano Pires, 52ª ed., São Paulo: LAKE, 1998a.

__________. O Livro dos Espíritos. Tradução de José Herculano Pires, 59ª ed., São Paulo: LAKE, 1998b.

__________. O Livro dos Médiuns. Tradução de José Herculano Pires, 20ª ed., São Paulo: LAKE, 1998c.

__________. Obras Póstumas. Tradução de Salvador Gentile, 18ª ed., Araras-SP: IDE, 1993.

LOBO, Ney. Filosofia Espírita da Educação, e suas conseqüências pedagógicas e administrativas. 3ª ed., v. 1 a 5, Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 2002.

__________. Prática da Escola Espírita: a escola que educa. Brasília: Editora Auta de Sousa, 2003.

MARIOTTI, Humberto; RAMOS, Clóvis. Herculano Pires: filósofo e poeta. Tradução de Wilson Garcia e Heloísa Pires. São Paulo: Correio Fraterno, 1984.

MAURÍCIO JR. História do Cristianismo. 2001. In: www.espirito.org.br/portal/artigos/geae/historia-do-cristianismo-00.html, acessado em 9 fev 2006.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Assim Falava Zaratustra. Coleção Grandes Obras do Pensamento Universal, São Paulo: Escala, s/a.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. A Gaita Ciência. Coleção a Obra-Prima de Cada Autor. São Paulo: Martin Claret, 2003.

NOVELINO, Corina. Eurípedes, o homem e a missão. 15ª ed., Araras-SP: IDE, 2003.

PEREIRA, Marcelo Henrique. Educação e Evolução: Liames e Interconexões – aplicação das Idéias de Herculano Pires ao movimento espírita. In: Terra Espiritual, s/a. Disponível em: www.terraespiritual.locaweb.com.br/espiritismo/artigo684.html, acessado em 31 mar 2005.

PIRES, J. Herculano. Introdução à Filosofia Espírita. 3ª ed., São Paulo: FEESP, 2000.

__________. Pedagogia Espírita. 10ª ed., São Paulo: Editora Paidéia, 2004.

RIOS, Terezinha Azeredo. Compreender e Ensinar no Mundo Contemporâneo. São Paulo: Cortez, 2001.

SARTRE, Jean-Paul. O Existencialismo é um humanismo. s/a.

SAVIANI, Demerval. Educação, do senso comum à consciência filosófica. 14 ed., Campinas-SP: Autores Associados, 2002.

SEVERINO, Antônio Joaquim. A Filosofia Contemporânea no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1999.

WEBER, Max. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. Tradução de M. Irene de Q. F. Szmrecsányi, Tamás J. M. K. Szmrecsányi, 2ª ed., São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2003.

ZÖLLNER, Johann Karl Friedrich. Provas Científicas da Sobrevivência. DF: Edicel, 1996.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s